segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Lá Vem Ele


























Todo final de ano é assim, ressurge
Vem para despertar nosso lado mais pueril
Na ingênua sabedoria de se ser criança
É quando entregamos o melhor de nós

Deixar de lado o ego e abrir o coração
Aparar as arestas e aceitar as diferenças
Amar com dedicação e sinceridade
Posar de criança, novamente, e sempre
Acredite... assim seremos muito mais felizes

Ho!  Ho!  Ho!

Frei Deriko Nietzsche



Coragem















Dentro de você há luz e sombra
E inútil se fazer de vítima, assuma-se
Encare seus amores e rancores, profundamente
Estipule valores e metas para sua vida
No transcorrer dela é que devemos ser felizes

Frei Deriko Nietzsche



quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

É 10, Norteado

















Ele quer crescer, falta o ser
Menino, homem, adulto... tudo a seu tempo
A responsabilidade diante dos deveres
Tráz inclusive boas notas
De felicidade e realizações
Não perca a cabeça menino!

Frei Deriko Nietzsche



Fora do Eixo





















Uma, duas... inúmeras vezes
Por muitos dita, o que se reedita
Sem fala, ela emudeceu frente ao espelho
Haverá talvez outra dimensão por detrás?
Sua visão só a isto não distingue
Em sã consciência, é pseudo-realidade

Frei Deriko Nietzsche



sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Nossas Medidas




Dia após dia, pura reconquista
Amor, sedução, sexo... intenso
Rituais, ao longo de longas conversas
É se aprofundar em outra dimensão
Sublime!

Frei Deriko Nietzsche



Sílaba Perfeita
























Renascida, respeitada, renovada
Retratada, revelada, revirada
Ser resplandescente, revigorante
Ele o sabe, de frente... ou revés

Frei Deriko Nietzsche



terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Acontece



















Contrastes extremos desnorteiam a nossa visão
Na clareza descobrimos a inevitável obscuridade
Quando escuros se tornaram nossos sonhos ruins
Polarizando, eliminamos os reflexos indesejados
Centrados, equilibramos as cenas da vida

Frei Deriko Nietzsche



Desde Sempre


























Frutos de uma mesma divina origem
Criados que fomos para o sermos
Por nós mesmos guiados e transmutados
Cada um com seus artifícios ou rituais
Não importa, bastam-nos as próprias pernas
Se fazer, no rumo da perfeição

Frei Deriko Nietzsche


Riscos na Vida




















Solte-se para a vida na direção certa
Use a corrente térmica que é ascendente
No vacilo, acaba por ficar de rabo preso
Que paralisa, desgasta e vem ao chão

Frei Deriko Nietzsche



Imperceptível



De salto em salto se deu
Por fuga, conveniência e desprendimento
No íntimo, sempre buscou segurança material
Fez por perder seu bem mais valioso
Por sorte, herdou sua independência
Mas, no fundo, levou foi de sola

Frei Deriko Nietzsche




segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Escolados



















Químicos compatíveis que se fundem
Físicos aplicados quando se experimentam
Estudiosos nas artes do encanto, ao ouvir
Nas contas, a matemática da concessão

Muitas experiências, já é pós-graduação
Par perfeito para caminharem juntos
Pelo coração, escolheram uma só carreira
Com tamanha aplicação, logo virá o mestrado

Frei Deriko Nietzsche



domingo, 6 de dezembro de 2009

Semeando-se




















Como explicar a essência de um ser
A não ser pelo próprio empenho evolutivo
Não é questão de sorte, ou de bens
Somente vivências constatam fatos

Lançamos nossas sementes ao vento
Que nos levam a infinitos caminhos
Somos nós que desenhamos o mapa
Cada estado, um estágio, uma vida...

Propague-se

Frei Dereiko Nietzshe



Ascensão




















Da lama, ergue a escada aos céus
No fundo, a base é sólida, de berço
Os percalços foram ensinamentos
Fortaleceram o ser que crê no ser
Coragem e dignidade ao assumir
Laços e fatos, para se redimir

Frei Deriko Nietzshe



Buraco Negro




Sem intenção, mas se dá conta
Que é fundo, por vezes devastador
Ceifa-lhe preciosos bens, de sangue
E fere seus tão queridos entes

Frei Deriko Nietzsche



sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Laços













Hoje já maior que seu genitor
Enfrenta-o, e o desafia com respeito
Com ardor, esperneia e o faz sorrir
Mas ouví-lo é seu sincero desejo

Desde o ventre a observar tão querido ser
Não há um só meandro que possa ser oculto
No desuso gesto sagrado de sua benção
Acabam por envolver-se em terno amor

Assim se dão certos diálogos, de coração aberto...

Frei Deriko Nietzsche



Valores




Na elegância da entrega
Despe-se de corpo e alma
Transparecendo a nobreza do ser

Sensual e verdadeira, mulher
Amante desenfreada ao se dar
Traz o seu melhor, para o meu

Frei Deriko Nietzsche



Rotas















De repente, num olhar você constata
Que a maior distância não é o horizonte
Nem mesmo sua altitude, apenas a seta no mapa

Frei Deriko Nietzsche



quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Psico Trópicos




















Capricórnio ou Câncer
Se voce entra numas, tanto faz
Já perdeu a linha do Equador
E vai acabar numa gelada

Polar ou Antarctica
Tudo igual, boa é a Sol
Refresca até que uma hora esquenta
Fumaça na certa, se vacilar pega fogo

Mal mesmo lhe faz um falante amigo
Verdadeiro, mas pernicioso sem o saber
E sem o querer, queima o filme
E me diz que só se revela no escuro

Santa ignorância, Batman...
ou será o menino prodígio ?!

Frei Deriko Nietzsche



sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Chove Chuva




















Sempre chegam as águas revoltas
Vêm para aliviar a alma, inclusive
Fortalece e faz florescer, a tudo
Não mais lamentar, soltar-se
Venha chuva, e se tiver goteira...
É para se arrumar, e fluir adiante

Frei Deriko Nietzsche



Arte de Viver




Contemplar é mais do que ver e observar
É querer, sentir e se dar por inteiro
Mantém-se assim a chama do desejo
Verdadeiro estado da arte... de construir,
e viver um grande amor

Frei Deriko Nietzsche



terça-feira, 24 de novembro de 2009

Retiro

























Tome consigo o seu tempo
Reflita sobre realizações e desejos
Saiba amar-se ao se dar verdadeiramente
E na conduta busque a purificação
Dedicar-se é ser feliz em si mesmo

Frei Deriko Nietzsche




Em nome do Pai, Filho...





















Seres duplamente encantados
Com suas belas amadas
Juntos... prazer e harmonia reinantes
É amor de sangue, e por elas
Um brinde à feliz convivência

Frei Deriko Nietzsche



Baile de Máscaras




















Vítima se faz, inconsequente
Tardes em seu universo irreal
Manipulando terceiros, quartos...
Onde se acha no dever de poder

Paga-se a um tempo qualquer
Dívida de uma conduta surreal
Vazio infeliz do ser, sem o ser
O que julga ser moral e real

A conveniência é o prazer da dança
Altera os passos conforme o par
Por um nobre foi vista sem trajes
Já não lhe corteja aplausos

Frei Deriko Nietzsche


Sem Chance



Chega o momento
Desperto ao pensar
Trago a tona
Profundo pesar

Ele me segue
Sem jamais alcançar
Passado remoto
Parti ao acordar

Frei Deriko Nietzsche



quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O Gosto do Romance




Seu singelo olhar... meu leve roçar
Suavemente,  viro-a de costas
Úmida língua a moldar seus pêlos
Desnudo sua nuca com meu hálito quente

Percebo seu lânguido movimento
Os olhares se reencontram
No silêncio, os cheiros se misturam
Um toque de lábios e se enfeitiçam...

Doce melodia de beijos e afagos
Carícias que nos fazem levitar
Rubor e sorriso malicioso nas faces
Namorar, ... é estar em estado de graça

Assim, degustando...

Frei Deriko Nietzsche


terça-feira, 10 de novembro de 2009

All - In

















Jogo, divino e maldito jogo
De perder ou ganhar
O tesouro, seu par

Frei Deriko Nietzsche



quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Toque - Toque


















Nada melhor que um toque,
de silêncio... pelo respeito
de alerta... pelos amigos
de fé... para a confiança
de pele... com carinho
musical... para alegrar a vida
do diabo... para a perdição
Não diga que não dei um toque

Frei Deriko Nietzsche



terça-feira, 3 de novembro de 2009

7 Cliques




















SEM PRESSA

O tempo, só o tempo, ensina
A olhar o passado como aprendizado
Manter a saudade como boa lembrança
Viver a realidade do presente
O futuro é a sabedoria de si mesmo

VÍNCULOS

Chega de insistir na realidade passada
Ciclo vicioso e permissivo que te faz patinar
e persistir, quando a culpa não é do outro
Renove-se

FORA DOS LIVROS

Sentimento não se aprende, sente-se
Terapia não se faz lendo, vivencia-se
Confiança não se pede, adquire-se
Destino não é cartilha, é escolha

PRÉ OU PÓS-PAGO ?

Pré-conceito,  pré-visão, pré-julgamento
Não afirme algo que voce não viveu ou julga saber
Invista no real e concreto, voce é sua melhor operadora
Na insegurança, faça um contrato e assine embaixo
Com você mesmo

FIRMEZA

É acreditar em você e buscar seu caminho
Confiar em seus sentimentos e desejos
Discernir entre o concreto e o imaginário
Sonhar acordado para não perder um só instante

MATE TODOS

Monstros imaginários todos os temos
Mantenha distancia e não alimente-os
Cedo ou tarde serão pulverizados pela sua indiferença
Simples assim

PARA POUCOS

Sua casa, seu santuário
Seu coração, sua intimidade
Sua conduta, sua essência
Sua felicidade, sua sabedoria
Você, a resposta

Frei Deriko Nietzsche



Sua Plenitude
















Não tem como ser imperceptível sua imponência
Irresistível poder que ela emana sobre os opostos
Nada mais fascinante e desafiador para ele
Florescer seus mais profundos sentimentos

Sensível e experiente cavaleiro
A cortejar tão nobre alma feminina
Seu brilho não o intimida, aumenta o querer
Os desejos guarda com o senhor do tempo


Sincera e refinada conquista ele o faz
Só Cronos a trará em direção a este acalento
Longos cabelos dourados e uma chama no olhar
Procurando seu verdadeiro Senhor


Fulgurante é o desejo de possuí-la
Sua presença entorpece seu universo
Nas bocas o gosto do mel, já um só fluído
Quer cavalgar esta dama de fogo

Encanto é seu toque por todos os cantos
Ele navega a desbravar esta úmida maré
Tolo é achar que é dono do leme
Ela escolhe por quem se deixará levar

Plena como a lua cheia ao melhor dos vinhos
Mágica como a mais pura ninfa a enfeitiçar
Está nas letras, é renascida e sábia
Transcende em tudo, é mais

Frei Deriko Nietzsche



sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Por Inteiro


















Por lá e cá ele o segue, a si mesmo
Equilibrando-se na figura do oposto
Guerreiro ermitão guiado pelo menino
Tão díspares personas a se unificar

Não importa quão longe possam ir
Sempre voltarão para dentro de si
Um fardo de aventuras e prazeres
Já cansaram de tanto usufruir

Por trás deste enredo ambíguo
Descortina-se o ser no seu melhor
Se lhe trouxe assim estas tarefas
De certo se esqueceu de aprender

Vivência de alma antiga
Graça e teimosia de criança
Falar de repente ao pensar
Sincera e justa autenticidade

Sob a proteção das estrelas
Seguem seu verdadeiro caminho
No rumo do meio do céu
Lá, serão iluminados num só

Frei Deriko Nietzsche



quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A Questão da Verdade



Quando você fala a sua verdade, o outro entende, aceita ou rejeita?
Na razão, cada ser tem a sua justa verdade
O sabe por estar inserido num universo uno, só seu
Se expressa com a conveniência de ser verdadeiro

Os imaginativos são confusos e oscilantes, na verdade
A verdade racionalmente comprovada cabe aos realistas
Outros ainda simulam enredos para as suas ditas verdades
O difícil é aceitar outra verdade que não seja a sua

As pessoas que nos cercam ajudam a formar nosso ponto de vista
Seja sonho ou realidade, a interpretação da verdade pode causar conflitos
Há de se ser sincero e sábio, diante do espelho e com o próximo
Estar aberto para conhecer outras verdades, e escolher seu caminho

Suas relações, seus afetos e a sua conduta em geral o farão
Construir a verdade da sua vida e de quem você é, a cada dia
Esta é a verdadeira visão da verdade

Frei Deriko Nietzsche

Sede de Garoa









Como é bom te sentir novamente
Garoa suave que me escorre ao rosto
Umedecendo meus já sedentos lábios

Os desejos mais profundos a irrigar
Germinados em meu ávido coração
Outra vez o sol reflete em seus cabelos

Loira garota, nada foi em vão, enfim...
Peço que todo dia chova e faça sol
Transbordando meu coração de júbilo

Frei Deriko Nietzsche

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Perdido na noite











Ficar
Hoje tá na moda
Tempos atrás era bolo
Só crescia com o tempo
Fermentando o desejo
De fazer a cobertura

Exagero
Nem sempre é tudo isso
Isso tudo não o é sempre
Voce pode sempre tentar-se
Enganar para tudo, e o sempre

Correndo atrás do pet
Vez por outra, volta e meia
Dá a volta outra vez
E olha que ele não tem rabo
Nem gosta de osso

Pondo
Este é duca
Lembra marca de creme
Você escolhe onde passa
E corre o risco de escorregar
Pra dentro, é de ferrar


Frei Deriko Nietzsche

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Procura-se



















Bela e frágil a tão admirada fortaleza
Sem bases adequadas de construção
Corre o risco de se autodestruir
Pela ação do tempo, ou invasão

O mais dedicado de seus arquitetos
Não teve mais recursos ou inspiração
Sonha com alguém que possa restaurar
Ao menos boa parte de sua recordação

Frei Deriko Nietzsche



segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Meu Povo
















O leve cerrar de meus olhos me faz viajar
Perfume de incenso e tênue luz de velas
Me guiam e levito a tão longe lugar
Na pureza espiritual procuro meu despertar

Vejo o bosque e a clareira, a lua quase cheia
A brisa da noite aos poucos me toma e faz-me pousar
Uma música alegre, crianças pra lá e pra cá
Tendas, carroças, casais enamorados a flertar

Os mais velhos não canso de contemplar
Ao fogo dourado tão mágica sabedoria assimilar
Natureza da alma e do ser supremo que existe em nós
Um éter que nos embala através do caminhar

O som das 7 cordas me fazem dançar e cheirar
Todas as flores que eu queira dar por amar
As castanholas me trazem o pão e o vinho
A procura de um belo olhar, passo a ficar

O bem a si e ao próximo é uma só vibração
Eternos e felizes caminhantes com Deus
Dos recantos aos encantos dos quatro cantos
Louvo, este é o meu povo em qualquer lugar

Agora vejo o sol raiar !

Frei Deriko Nietzsche